13 de janeiro: dia do Leonismo

João Carlos José Martinelli *

           Em comemoração ao nascimento de seu fundador, Melvin Jones, em 13 de janeiro de 1879 em Fort Thomas, Arizona, EUA, celebra-se nesta data, o Dia do Leonismo, que se revela num movimento universal que congrega homens e mulheres motivados pela finalidade de servir desinteressadamente à sua comunidade e aos seus semelhantes. Traduz um conjunto de normas e objetivos da Associação Internacional de Lions Clubes em prol do bem-estar cívico, cultural, social e moral da comunidade, sem ligações religiosas ou políticas. Através dos seus Clubes de Serviço estuda as necessidades da coletividade e apresenta meios ou sugestões para enfrentá-los, seja através dos seus próprios esforços ou em cooperação com terceiros.
           Conforme a Declaração de Missão do Lions Clubs International, uma de suas finalidades primordiais é criar e fomentar um espírito de compreensão entre todos os povos com relação às necessidades humanitárias, fornecendo serviços voluntários por meio de envolvimento comunitário e cooperação internacional. Assim, aproximadamente 1,4 milhão de homens e mulheres realizam exames de vista e de saúde, constroem parques, apoiam hospitais oftalmológicos, concedem bolsas de estudo, auxiliam jovens, distribuem cestas básicas, dão apoio a entidades filantrópicas, fornecem ajuda em momentos de catástrofes e muito mais.
           O Lions Clubs International foi fundada nos Estados Unidos da América em 1917 por Melvin Jones e se tornou internacional em 1920, quando foi fundado um Lions Club no Canadá. Atualmente, existem mais de 46.000 Lions Clubs espalhados por 206 países do mundo. Em nossa cidade, destaca pela execução de inúmeras atividades filantrópicas.
           Ressaltamos a atuação do leonismo, pois ela se embasa na solidariedade que integra a Terceira Geração dos Direitos Humanos e nos convida a uma séria reflexão sobre a importância de desenvolvermos uma convivência mais fraterna e solidária, notadamente numa época em que o desenfreado consumismo se sobrepõe a inúmeros princípios, tornando as pessoas mais frias e insensíveis.
           Como propósito moral que vincula o indivíduo à subsistência, aos interesses e às obrigações dum grupo social, duma nação ou da própria humanidade, fazendo com que ele partilhe construtivamente da vida do seu semelhante, a solidariedade encerra dois aspectos, ou seja, participação e ajuda: uma virtude que se subordina à disposição afetiva em relação a quem nos avizinha.
           O futuro, coletivo e individual, depende de esforços pessoais que se somam e começam a mudar pequenas questões para, estruturado em muito trabalho e nunca boa dose de renúncia, alcançar gradualmente, e o quanto antes, a consolidação de uma convivência afável e justa.


           Fonte: Jornal da Cidade – Jundiaí - Edição de 10/01/2012 - página 12 - link: http://www.jornaldacidade.com.br/


* João Carlos José Martinelli é advogado, jornalista, escritor e professor universitário.



VOLTAR